Boletim de Segurança - Rastros Digitais




Atualmente, a internet se tornou um enorme campo de dados e memórias, complexas e constantemente atualizadas, devido a nossos rastros conscientes – publicações – e inconscientes – tempo de navegação, navegador, páginas acessadas.


“Digital Footprint”, ou rastros digitais, é a definição de conteúdos atribuídos a um determinado indivíduo. Dessa forma, emails, mensagens, posts em blogs, posts no twitter, fotos, comentários em vídeos do Youtube, curtidas no Facebook, site de compras, enquetes etc; são meios de absorção de informações.


Para ter uma ideia, é através dessas redes que informações como orientação sexual, classe social, CPF, data de nascimento, ocupação, escolaridade entre muitas outras são recolhidas e qualquer público pode ter acesso por meio de um simples processo: pesquisar o nome do envolvido no Google. Inclusive, os rastros digitais revelam metadados, possibilitando desde a localização de acesso até informações sobre as pessoas envolvidas.


Assim sendo, a menos que se proteja, no momento em que um navegador de internet é utilizado, sites podem legalmente rastrear sua atividades e te reconhecer. E isso é apenas uma abertura das diversas informações fornecidas.



Quais são as informações fornecidas?


Todo vazamento de informações no campo virtual começa com o navegador, que envia bits de dados básicos aos sites que você visita. Por isto, no momento em que você fica online, você ganha um endereço de IP, que representa sua entrada para a internet, fornecendo sua localização.


Além disso, seu navegador relata informações como o sistema operacional executado, se é um desktop ou um sistema de operação móvel, modelos de CPU e GPU de sua máquina, resolução do monitor e até mesmo o nível atual da sua bateria.


Para ver alguns destes dados e monitoração por conta própria, abra os sites Webkay e Click. Se suas configurações foram determinadas, qualquer outra página na web também conseguirá determiná-las.





No entanto, esses dados são apenas a primeira camada de informações que os sites usam para te identificar, podendo haver uma combinações de informações. Assim sendo, seu navegador pode transmitir um impressão digital única para a internet, pois informações como software navegador específico, hardware, idioma, fontes etc; criam uma identidade, fazendo com que um site identifique que foi realmente você quem visitou o mesmo em um dia passado, gerando alguma publicidade relevante ao assunto pesquisado.


Esta grande concentração de informações pessoais em site, principalmente voltada a publicidade, é gerada por meio de cookies, que são pequenos arquivos que atuam como marcadores de identificação. A função básica de um cookie é ajudar um site a reconhecer você, podendo saber sua localização, suas preferências, seu layout, armazenar itens em seu carrinho caso retorne ao site e saber justamente seu tempo de retorno para que mensagens de boas vindas mudem de acordo.


Ademais, existem os cookies de terceiros, que são representados por propagandas nas páginas, mas sem nenhuma permissão explícita do usuário e os supercookies; que são inseridos em nível do Provedor de Serviço Internet (ISP), não ficando em sua máquina, mas identificando os sites frequentados, sendo impossível erradicá-los no momento em que seu histórico é apagado.


Entretanto, existem dados que são fornecidos voluntariamente ao realizar algum cadastro ou ao aceitar as políticas de privacidade, como foi o caso do Google, no qual agora os dados são mesclados, como seu nome, canais favoritos do YouTube etc; que ajudam a construir uma imagem mais abrangente de você e seus gostos.


No Facebook, por ser a maior rede social do mundo, é aonde tem a maior quantidade de dados pessoais disponíveis, concebendo informações como gravidez, local de trabalho, o momento em que você mais acessa a internet e muito mais.


Como ter o controle?

Ainda que a coleta de dados, em essência, não seja maliciosa, existem maneiras de evitar ser rastreado enquanto você navega na internet. Abaixo, apresentamos algumas dicas para você navegar de uma forma mais anônima e tentar prevenir que os seus dados sejam coletados por terceiros.


  1. Evite deixar contas abertas: Sempre que uma janela do seu navegador está aberta com sua conta do Facebook, Twitter, Tumblr ou da Google, a sua navegação da internet é automaticamente rastreada, armazenando cookies nos sites. Um modo de prevenção é optar pelo uso de um navegador exclusivo para acesso a suas redes sociais e e-mail, de forma que não é oferecido um fácil acesso aos sites que são visitados ou utilizar o aplicativo Ghostery.

  2. Use o modo anônimo dos navegadores = Muitos navegadores contam com um modo anônimo, normalmente ativado pelas teclas CTRL + SHIFT + N, que permite navegar pela web sem deixar marcas no histórico ou na barra de autopreenchimento, evitando o rastreamento de cookies. Vale apenas lembrar que a navegação privada impede a gravação de informações no seu browser, mas não impede outras aplicações instaladas no computador de monitorar o que você está fazendo.

  3. Faça buscas no DuckDuckGo = O DuckDuckGo é um buscador alternativo que promete não espionar suas atividades. Além disso, é uma ótima alternativa para quem não quer receber resultados “filtrados” conforme o seu perfil, que é algo que ocorre pelos mecanismos tradicionais.

  4. Use uma VPN = VPN, do inglês Virtual Private Network, ou Rede Particular Virtual, permite o tráfego de dados de forma segura e também permite o acesso a uma rede interna de uma empresa, mesmo trabalhando em casa. De uma forma geral, aumenta a segurança da sua conexão por meio da criptografia de dados, independente da localização física do seu computador.



Se você tem alguma dúvida, faça contato!

Infrabout Tecnologia da Informação Ltda

Rua da Conceição, 105 - Sl 1908 Centro - Rio de Janeiro 20051-011 Tel. +55 21 3173-4900 email: info@infrabout.com http://www.infrabout.com


Posts Recentes
Arquivo
Siga
  • LinkedIn Infrabout